Total de visualizações de página

domingo, 21 de agosto de 2016

Às vésperas de Primavera

Elas já se mostram em toda parte.



Coloridas.




Lindas.


Pequenas ou grandes.




Carregadas de botões.





Perfumadas.

Não há como não perceber. 
A primavera está chegando!

domingo, 14 de agosto de 2016

O que fazer em Paris, com chuva?

Torre Eiffel - Paris
Estive em Paris em duas oportunidades. Ambas, no inverno (de lá) meses de dezembro e janeiro. Época propícia a muita chuva, muito frio  e, talvez neve. 

Antes de viajar, algumas pessoas disseram: mas, que pena, se chover quase não dá para aproveitar...


Pois bem. Viajamos já pensando o que fazer se enfrentássemos dias e dias de chuva.

Na lista de como aproveitar a viagem, em caso de muita chuva, uma das alternativas seria visitar museus. Paris é rica em museus, contando com uma relação imensa de museus, e para todos os gostos. Lá está o imperdível Museu do Louvre, tido como o museu mais visitado do mundo e com um acervo de mais de 300.000 itens.

Museu do Louvre - Entrada Principal - sob a Pirâmide
Há linhas de metrô (Palais-Royal; Musée du Louvre)que facilitam o deslocamento ao museu.

No Louvre estão algumas obras clássicas como a famosa Mona Lisa (La Gioconda) (que surpreende muitos por ser um quadro menor do que se imagina); a Vênus de Milo (Afrodite); o Código de Hammurabi (tido como o primeiro código (data de cerca de 3.000 anos) estabelecendo direitos/deveres); a Coroação do Imperador Napoleão I (Napoleão Bonaparte), além de conhecer os fossos do Louvre e sua história(antigo palácio medieval).
Código de Hammurabi
Vale destacar também o Museu d'Orsay, situado às margens do Sena e que abriga obras de Van Gogh, Degas e outros artistas célebres.
Dentre alguns museus, convém ainda lembrar o Museu Rodin, o Museu da Arte Moderna, e tantos mais. 

Uma vista a um museu corresponde a várias aulas de arte, história, geografia, ciências, e outras áreas do conhecimento. 

Visitar museus em dia de chuva, é ótimo. Perfeito.

Mas há outras coisas que podem ser feitas em Paris em dias de chuva, como perder-se nas Galerias Lafayette, e até mesmo passear de barco pelo Sena!

Mesmo com chuva, é um passeio maravilhoso, pois é possível visualizar os principais pontos turísticos da cidade-luz. E se for à noite, é fantástico!

Rio Sena

Margens do Rio Sena com Notre Dame ao fundo - Paris 

Torre Eiffel iluminada, vista do barco 
Outra boa ideia é visitar cafés. Paris tem um número imenso de bons cafés, onde é possível passar horas agradáveis degustando delícias típicas francesas.

Portanto, na sua próxima viagem à Paris, se chover não se estresse. Paris tem uma infinidade de lugares maravilhosos para aproveitar, mesmo com chuva!


Igreja Saint-Germain-l'Auxerrois
O que fazer em Paris com chuva? 
Tudo o que foi programado, sem dúvida. 




Paris é maravilhosa, mesmo com chuva!

sábado, 6 de agosto de 2016

Uma jardineira amadora


O sol nos anima, nos revitaliza, sem qualquer dúvida.

Ainda estamos no inverno, mas os dias de sol estão se tornando mais frequentes, com o calor pouco a pouco mais intenso.

Em alguns momentos, podemos perceber ares de primavera, com as plantas já mostrando algumas flores, os pássaros revoando e cantando com mais entusiasmo.


Nestes momentos, faço de conta que sou jardineira (amadora, pois embora adore plantas, não tenho um conhecimento específico nesta área) e tento inventar detalhes que tornem o jardim mais atraente.


Aqui, uma veneziana sem utilização, virou moldura para os vasos com gerânios, dando um toque bonito a um muro sem graça.


Uma tampa de argila sem utilidade, virou um enfeite para o muro, depois de receber a pintura de umas flores estilizadas.


A casinha velha que serve para alimentar os pássaros, voltou ao galho da árvore, à espera dos visitantes.




A plaquinha, feita de uma sobra de madeira, colocada junto a grade e sobre o muro divisório, destaca o espaço 'le jardin' e também dá uma certa beleza ao recanto.



Agora, é só aguardar.
O resto é com ela: a primavera. Logo deve chegar e termina por enfeitar nossos dias!

domingo, 31 de julho de 2016

Barcelona e o Parque Güell de Gaudi

Parque Güell

Comentei em post anterior - Barcelona e a grandiosidade dos sonhos de Gaudi - sobre a beleza de Barcelona, na Espanha.

Certamente, não há como falar de Barcelona sem falar de Antonio Gaudi, e vice-versa.

A obra de Gaudi deu nova feição à Barcelona; tornou-a única em seus traçados, em seus projetos arquitetônicos, que somados à beleza natural, e à diversidade de seu idioma (catalão) são os principais diferenciais.

Dentre algumas obras deste arquiteto catalão - Antonio Gaudi - merece destaque o conhecido Parque Güell. 

De qualquer ângulo que seja contemplado, este projeto surpreende: pela beleza, pelas linhas ora sinuosas, ora que parecem desafiar a gravidade e a física, ora que parecem brincar com nossa imaginação...


O Parque Güell está localizado numa área de cerca de 17 hectares, sendo projetado, inicialmente, para ser um condomínio residencial. Foi encomendado a Gaudi pelo industrial Eusebi Güell, e construído nos anos de 1900 a 1914.

A arquitetura no local é repleta de cores vibrantes, com muito azul, verde, amarelo, tons terrosos, em trabalhos minuciosos, com muitas curvas, que formam os chamados bancos ondulantes. 

Figuras de salamandras e outros répteis em pedras e cerâmica  multicoloridas são destaques no Parque, e simbolizam a própria Barcelona.



O local está cercado por uma natureza deslumbrante.  


Do alto do Parque Güell há uma vista belíssima, visualizando-se o mar Mediterrâneo, que banha Barcelona. 


O Parque Güell é isso: uma arquitetura nada convencional, cheia de criatividade e magia. Uma mistura de cores e de materiais, aliada aos traçados, com colunas inclinadas, que trazem  beleza e encanto ao local.


As colunas inclinadas surpreendem e despertam grande curiosidade.

O Parque Güell, projetado como condomínio habitacional, não teve êxito, sem que se saiba exatamente a causa. 

Entretanto, como destaque arquitetônico mundial, é inegável sua importância e beleza, para onde acorrem turistas, diariamente, que se deslumbram com o inusitado da obra. 
  
Escadaria da entrada
Em 1984, o Parque Güell se tornou Patrimônio Mundial da Humanidade, pela UNESCO.



Barcelona é surpreendente: diferente, bonita, moderna, peculiar. Inesquecível.

A obra de Antonio Gaudi foi capaz de dar à Barcelona essa beleza específica, cativante, que parece brincar com nossa imaginação. E isso é visto plenamente ao visitar o Parque Güell.

Onde: Barcelona - Espanha
Barcelona está a cerca de 623 km da capital, Madri.
Ou seja, um pouco mais de 6 horas de viagem, de carro.
Dica: Vá de trem de alta velocidade (AVE) com viagem de 2h50 ou 3h - (pode verificar horários/preços) no banner da Raileurope, aqui no blog. Viagem rápida, segura e confortável.

Outra dica: pesquise e reserve a hospedagem através do banner do Booking, também aqui no blog.

domingo, 24 de julho de 2016

Barcelona e a grandiosidade dos sonhos de Gaudi

Sagrada Família 

A cidade de Barcelona, na Espanha deslumbra os visitantes por várias questões. 

A começar pelo idioma (catalão) que surpreende por parecer uma rápida mistura de francês, italiano, espanhol e português. Ao menos assim me pareceu.

Deslumbra pela modernidade, por ruas bem feitas, prédios bonitos, antigos e modernos em perfeita harmonia.


Mas, surpreende na arquitetura, nas inúmeras obras de Antonio Gaudi que ao idealizá-las, projetá-las, parecia querer mostrar um mundo de beleza, de magia, de extremo encanto; algumas, com traços que parecem desafiar a gravidade.

Templo Sagrada Família - Barcelona - Espanha
É assim na Sagrada Família, cujo nome é Templo Expiatório da Sagrada Família, inscrita na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO. É um templo católico.

Ao conhecer o Templo, fiquei paralisada por muitos minutos contemplando uma das obras que retrata a grandiosidade do sonho de Gaudi: ao projetar as torres (serão 18 ao todo); a tantas formas entremeadas; a aberturas nas torres que parecem janelas que se descerram para o espaço; enfim, simplesmente deslumbrante, estonteante.

O projeto da obra teve início em 1882, sendo que no ano seguinte (1883) foi totalmente reformulado por Gaudi, que assumiu a execução a partir daí.

O Templo está inacabado, estando em obras há mais de 100 anos. A bem da verdade, no ano de 2026 (quando será comemorado o centenário de morte de Gaudi), é muito provável que ainda não esteja totalmente concluído. Mas continua encantando visitantes do mundo todo.


Templo Sagrada Família - Barcelona - Espanha

O Templo é, sem dúvida, o cartão postal de Barcelona. E indo à Espanha, é certamente, um dos lugares que não se pode deixar de conhecer.

Onde: Barcelona - Espanha 
Barcelona está a cerca de 623 km da capital, Madri.
Ou seja, um pouco mais de 6 horas de viagem, de carro.
Dica: Vá de trem de alta velocidade (AVE) com viagem de 2h50 ou 3h - (pode verificar horários/preços) no banner da Raileurope, aqui no blog. Viagem rápida, segura e confortável.




quarta-feira, 20 de julho de 2016

Templo Budista de Três Coroas


Visitar o Templo Budista Khadro Ling, na cidade de Três Coroas/RS é um passeio maravilhoso e se pode dizer que faz bem aos olhos e ao espírito. 

Há algum tempo, eu vinha sentindo uma certa curiosidade em conhecer o local. Realmente, é um passeio muito lindo pois além de visitar um lugar repleto de beleza não só arquitetônica, como também natural, há a oportunidade de conhecer um pouco mais dos ensinos budistas.  


A começar pelo local, que é um lugar belíssimo, de onde se avista inúmeras montanhas, e em meio a muita vegetação, sobressai o Templo com suas construções em cores vibrantes. 
  

As cores exuberantes das construções convida para momentos de contemplação, de reflexão sobre este maravilhoso universo que nos cerca.



Logo na entrada, há uma sala onde é possível assistir a bonita história do local, idealizado pelo monge budista Chagdud Rinpoche que encantou-se com o lugar que lhe lembrava o Tibete. A construção foi iniciada em 1995.

Chagdud Rinpoche projetou o lugar para inspirar de maneira positiva todos os visitantes, independentemente de suas crenças. Após sua morte em 2002, sua esposa seguiu com os planos do marido, mantendo o lugar conforme idealizado. 

O local por sua beleza, paz e suas características peculiares tornou-se rapidamente um local turístico, atraindo visitantes de todos os lugares. Ali, o visitante consegue imaginar-se no Tibete.

O local é constituído pelo Templo principal, construções menores que abrigam as rodas de oração, estátuas, estupas, tudo interligado por caminhos e cercadas de muito verde. 

O Templo oferece ensinamentos e práticas de meditação. Há orações e oferenda de lamparinas, estas, acesas todos os dias como oferenda de luz para dispersar obstáculos de todos os seres. 



A cada pouco, pelos caminhos, há placas lembrando para não pisar nas formigas, como forma de proteger com segurança o trajeto das mesmas. Acredito que isto desperta nas pessoas a sensibilidade com os demais seres que habitam nosso mundo. 




As oito estupas representam as oito fases da vida do Buda, desde seu nascimento até a morte.

As bandeiras da oração levam mantras através do vento, que espalharão aos quatro cantos do mundo, boas energias.

A visitação ao Templo Budista é gratuita para carros de passeio, e está aberto ao público de quartas a domingos, sendo que segundas e terças, está fechado à visitação. Grupos em vans, ônibus, etc., devem agendar a visitação.

No local não há venda de lanches, e é proibido fumar. Há uma única lojinha que comercializa itens próprios do budismo, e que muitos turistas adquirem como souvenir. No interior dos templos não é permitido fotografar ou filmar.

Perto dali, há o restaurante Espaço Tibet, bem conceituado e que foi o primeiro restaurante típico tibetano no Brasil. 

Onde fica - situado a 7km de Três Coroas, por estrada de terra.

Três Coroas, no Rio Grande do Sul/Brasil. Três Coroas está localizada a cerca de 90 km da capital Porto Alegre; e a 32 km de Gramado.

Este é o endereço: Estrada Linha Águas Brancas 1211 - Águas Brancas - Três Coroas - RS (embora se perguntar em Três Coroas onde fica o Templo Budista, praticamente todos sabem indicar).

Visitar o Templo Budista Khadro Ling de Três Coroas, sem dúvida, é um passeio maravilhoso, que vale a pena. 

  


sábado, 9 de julho de 2016

Viajar nos meses de frio e chuva

Paris - com chuva
Os meses de férias, no Brasil, ocorrem no período de calor, em pleno verão.

Sem dúvida, é um período ótimo para viajar para lugares quentes, praias. Os dias são longos, períodos de chuva são mais escassos, enfim, tudo parece contribuir para o aproveitamento pleno de qualquer viagem. 

Mas, nestes meses de férias, é o período de frio, chuva, neve, em lugares maravilhosos como a Europa. É também a baixa temporada com preços mais acessíveis, e muitas vezes, maior número de ofertas de passeios mais econômicos.
Hora de rir muito pelo vento forte em Versailles
Uma mini sombrinha é peça obrigatória na mala ou na bolsa, e que não atrapalha em nada. Pode-se aproveitar a oportunidade para adquirir este acessório por lá, e na volta,  é mais uma bela lembrança da viagem. 

É possível conhecer lugares, passear pelas cidades, degustar comidas típicas, visitar praças, museus, feiras, mesmo em dias de chuva e frio. 
Para aquecer nada melhor que um gostoso chocolate 
  
Particularmente, adoro viajar nestes períodos. Os melhores passeios sempre fiz em períodos de frio, chuva, neve, e afirmo: são maravilhosos! Montevideo, Buenos Aires, Santiago, Lisboa, Madri, Barcelona, Paris, Londres, etc. viagens muito lindas, inesquecíveis!